• Admin

As Raízes Tradicionais da Magia Cerimonial

Atualizado: 7 de Set de 2019


Ritual de Oferendas aos Espíritos


A Magia Cerimonial Tradicional (MCT) se apoia em um antigo sistema de crenças onde as ações das Divindades, Seres, ou Espíritos são vistas como sendo capazes de influenciar diretamente o ser humano encarnado. Estas divindades, ou emanações são, na realidade, forças astrais do universo que foram personificadas por uma cultura específica para corresponder aos requisitos materiais e emocionais de uma cultura.

Para os magos da Idade Média e do Renascimento os espíritos, deuses e forças sobrenaturais tinham o poder de, efetivamente, intervir no curso dos eventos e influenciar positiva ou negativamente a vida das pessoas.

Hoje em dia o sentido utilitário da Magia Ritual e Cerimonial perdeu-se entre promessas de ascensão espiritual e de elevação a graus imaginários de iluminação. Infelizmente a exigência de cobrar que o mago trabalhe até chegar ao seu ponto máximo, como o conhecimento e conversação com o seu Santo Anjo Guardião, fez da Magia Ritual e Cerimonial um sistema de auto-desenvolvimento psicológico, algo distante de sua proposta original. Este processo traz, na maioria das vezes, uma falsa estabilidade mental, uma falsa ideia que está evoluindo espiritualmente. O que vejo hoje nas ordens, que dizem trabalhar com magia, é o uso das técnicas ritualísticas para atingir estados elevados de consciência, mas isso não é magia real. É apenas o meio do caminho.

Na antiguidade o caminho do desenvolvimento tinha uma direção (e intenção) diferente. A Magia Cerimonial era usada para se atingir objetivos mais mundanos. O uso do ritual e da cerimônia era uma técnica, um verdadeiro desenvolvimento espiritual, mas que no final possibilitava, ao indivíduo, o uso efetivo desta técnica, alcançada através de um caminho, uma via iniciática, que hoje não faz parte do conjunto de conhecimentos de magia.

Assim perdemos de vista o caminho ancestral e visionário da magia antiga na barafunda de psico-tecnomagias que gira em torno do ocultismo contemporâneo. Entretanto, alguns indivíduos e organizações esotéricas buscam aos poucos um resgate desses conhecimentos antigos e tentam adaptá-los, no que for possível, para os estudantes modernos. A Ordem do Lotus negro é um delas, um dos objetivos de nossa fraternidade ocultista é integrar os métodos de Magia Cerimonial dos grimórios medievais e greco-egípcios ( o qual a Magia de Salomão faz parte) com o sistema moderno de Magia Cerimonial, derivado de ordens herméticas e de ideais rosacrucianos, como a Golden Dawn.

Sobre as Oferendas aos Espíritos e Forças Planetárias

Um mago cerimonial deve entender os fundamentos dos métodos antigos e adaptá-los as suas necessidades atuais. Um dos métodos que facilitava a manifestação da magia (efeito real da magia) são as Oferendas aos Espíritos.

Certamente você sabe que a maioria das religiões realiza algum tipo de oferenda aos deuses ou espíritos nos quais acredita. Esta oferenda pode ser apresentada como uma refeição de comunhão entre humanos e divindades ou como uma oferta exclusiva para os deuses. Nas religiões antigas e tradicionais, a oferenda mais comum era o sacrifício de animais: os espíritos recebiam o sangue, as vísceras e a gordura; as pessoas comiam a carne. O sacrifício ritual de animais ainda é mantido em muitas religiões afro-brasileiras e derivadas de diásporas africanas e até mesmo algumas indígenas.

Na verdade o ato de oferendar uma entidade ou divindade é bem antigo. Encontramos o holocausto feito para YHVH dentro das escrituras do Velho Testamento. Encontramos também na mitologia grega, na romana e em diversas outras culturas.

Este método ou ritual deriva dos antigos Ritos Propiciatórios e tinham a função de atrair ou readquirir o favor ou a boa vontade de um ser sobrenatural. É uma ação para agraciar uma divindade ou espírito, para aplacar a ira ou pedir justiça divina, para obter perdão da culpa entre outras. Os ritos propiciatórios favoreciam, propiciavam algo. Eles influenciavam uma divindade ou espírito no sentido de se conseguir o que se pretende. O rito expiatório é um ato de purificação das influências perniciosas, dos pecados, que pode ser de pessoas ou de um lugar. Muitas vezes as oferendas eram utilizadas junto a rituais de exorcismos para “apaziguar espíritos” que atormentam pessoas ou assombram casas e moradias. As oferendas, nesse caso específico, eram oferecidas em nome das pessoas que pediam o ritual de exorcismo. Em algumas ocasiões para apaziguar espíritos malignos, era necessário além da comida, ofertar objetos tais como pentes, espelhos ou realizar algo a seu favor, como mandar rezar uma missa ou outra ação qualquer.

Em muitas operações mágicas também torna-se necessário a realização de algum tipo de oferenda. Ela tem a finalidade de homenagear e agradar aos espíritos ou divindades invocados (ou evocados); não se trata de um feitiço ou pagamento de promessas. Entretanto, muitas vezes constitui parte do ritual, sendo realizada ao mesmo tempo em que o operador faz seu pedido às entidades convidadas a receber a homenagem. Como essas entidades têm afinidade com os produtos oferecidos, serão mais facilmente atraídas desta forma do que somente com orações e conjuros.

Atualmente as práticas de Magia Cerimonial não utiliza oferenda com animais ou com sangue, embora respeitemos quem os façam. Como a Arte trabalha na maioria das vezes com espíritos cabalísticos, dos planetas e elementais, suas oferendas costumam ser ligadas aos símbolos dessas forças.

Primeiro é importante saber que todo e qualquer espírito e divindade aceita alimentos e objetos naturais (como flores, cristais, espelhos, conchas etc) como oferendas. Isso ajuda na manifestação das forças do espírito ou da divindade assim como no processo de aterramento de sua magia. Os espíritos (inteligências, gênios etc) e as divindades convocados para participarem de seu ritual mágico não consomem os alimentos oferecidos. Ao contrário disso eles utilizam a contra-parte sutil dos alimentos para efetuar uma ponte o mundo visível e o invisível e, assim, precipitarem (manifestarem) efeitos no plano físico. Esses efeitos podem ser de curto, médio ou longo prazo dependendo do pedido ou da natureza do trabalho a ser realizado. Assim as entidades absorvem a energia sutil que emana das oferendas (assim como do incenso, do calor das chamas das velas etc) e não da matéria propriamente dita. As energias liberadas no ritual de oferendas são absorvidas e utilizadas pelas entidades para a realização do feitiço ou trabalho proposto.

Uso das Regências Astrológicas

A Magia Cerimonial baseia-se em um sistema de regência astrológica onde a influência planetária geral se reflete nas formas e manifestações da vida terrestre. Ao organizar uma operação mágica planetária o mago sempre busca saber de entemão quel é o efeito de um determinada força planetária sobre o campo mental, astral e físico da vida terrestre. Tudo no mundo natural contêm uma virtude oculta ligado a um planeta, a um signo e mesmo a um elemento e suas várias combinações. Todos os três reinos da natureza sublunar (mineral, vegetal e animal ) tem seu espírito regente, seus reis elementais e espíritos menores a eles ligados. Ao mesmo tempo cada planeta possui seu próprio espirito, seu arcanjo, seu gênio e astrosoma como também seu próprio tipo de “humanidade”. Essa era a forma de pensar dos magos de antanho, e pouca coisa mudou desde então.

Abaixo eu (Helio Monteiro) demonstro um altar com oferendas. Nele invoquei e entidades planetárias (deuses e espíritos) da Esfera do Sol e Elementais da Terra. O objetivo do cerimonial mágico (magos cerimoniais quase sempre operam com objetivos específicos) foi atrair prosperidade e fartura. Também mantive outro objetivo específico, também ligado a esfera do Sol, mas que por se tratar de algo pessoal não posso revelar.

O ritual então foi então consagrado ao Sol combinando técnicas de Magia Planetária e Natural. Enquanto a Magia Planetária trabalha com a canalização das energias dos planetas e com os espíritos e deuses (elohim) que governam as Esferas Planetárias a Magia Natural é a prática da Magia através do uso de materiais naturais como pedras, plantas, animais, terra e outras coisas naturais. Se engana quem acredita que um Mago Cerimonial não trabalha com elementos naturais e com os espíritos da natureza. Nós trabalhamos sim, mas dentro do contexto filosófico e do conjunto de regras que definem a Magia Cerimonial.

“A Magia Natural, é um conhecimento que compreende toda a Natureza, por meio da qual desvendamos os segredos e processos ocultos de todo o seu imenso e amplo organismo. Com isso chegamos aos conhecimento de seus componentes, suas qualidades, virtudes e segredos dos metais, pedras, plantas e animais.” Magus – Francis Barrett (1801)

Como disse acima eu utilizei neste ritual as energias solares em associação com o Elemento Terra. O Sol é tido como um dos sete planetas “clássicos” que foram primeiramente descobertos e atribuídos a deidades: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Lua e Sol. Lembrando sempre que aqui estamos tratando da dinâmica dos planos interiores e seus mundos invisíveis, e não do universo material.

Nos trabalhos mágicos a energia do sol é expansiva e vibrante e pode aumentar a força das magias que envolvam crescimento, auto-expressão e a maior parte das atividades ligadas ao mundo externo. Podemos canalizar essa energia para obter um emprego, melhorar a auto-imagem, favorecer os negócios assim como obter prosperidade e fartura que foi o objetivo da operação mágica.

Outro fator que pode ajudar na atração da prosperidade é o Elemento Terra, pois Terra (o Elemento) é estabilidade e concretização das coisas. Assim os elementais podem ser evocados para ajudar nesta empreitada (obter prosperidade) e suas energias podem ser combinadas com as do Sol para fortalecer a Magia. Assim eu invoquei - e evoquei- também neste ritual os Espíritos Solares Mikhael, Och, Naquiel e Sorat. Na tradição hermética-cabalística dois deuses regentes da Esfera da Terra é a deusa Gaia e Gob (Rei-Elemental da Terra).

Assim o cerimonial foi montado utilizando as correspondências astrológicas, planetárias e elementais ligados as Esferas do Sol e da Terra.

Aqui é importante enfatizar que o mago cerimonial não cultua ou venera deuses mas os entende como entidades espirituais de grande poder, criadas por uma cultura ou sociedade. Assim os deuses das Egrégoras Mitológicas da Antiguidade são tratados com respeito pelo magista, mas nunca com reverência ou louvação. O mago também não subordina-se a espíritos de espécie alguma, nem faz contratos astrais que comprometam sua saúde ou evolução espiritual.

Isto tudo deve ser levado em conta ao apreciar este altar, os elementos que nele se encontram, e o cerimonial mágico que foi desenvolvido. Lembrando que quanto mais correspondências entre planetas e elementos utilizar maior poder está emprestando ao seu ritual mágico. Cada planeta e elemento possui sua energia única e distintiva e desempenha um papel no plano cósmico. Reagimos a essas energias para dentro e para fora, mesmo que sem sempre estejamos cientes de que estamos fazendo isso. Contudo, quando você estiver familiarizado com as energias planetárias e elementais, você poderá usá-las para melhorar seus trabalhos mágicos e facilitar seu crescimento pessoal. Poderá mesmo fazer combinações de planetas, elementos e até signos zodiacais em sua magia. Contudo lembre-se sempre:

Um signo sozinho não tem poder. Este pertence aos planetas. Signos são formas de ação, modos pelos quais o poder é canalizado. Talvez a melhor forma de entender seja considerar cada signo como uma janela simbólica através da qual passa a luz. O signo é a janela, o planeta é a luz. Obviamente cada planeta terá um efeito diferente em cada um dos doze signos do zodíaco. Marte, o planeta da energia e do direcionamento, será expresso de forma agressiva e forte em um signo de Fogo tal como Áries, mas terá tons mais emocionais sum signo de Água como Câncer.

O signo, portanto, modifica a energia do planeta e lhe dá uma direção e um canal especial através do qual ele possa fluir a sua energia.

Espero ter demonstrado neste pequeno artigo que o ocultista moderno (ou magista se preferir) pode restaurar e adaptar os antigos ritos propiciatórios e utilizá-los junto a seus conhecimento herméticos de Magia Planetária e Astrológica. Fazendo isso não está criando nada de novo, ao contrário está apenas reabilitando uma sabedoria mágica hoje virtualmente desconhecida pelos ocultistas modernos. Os magos cerimoniais de hoje deveriam utilizar rituais de oferendas, não como um gesto de louvor, de reverência ou de expiação dos pecados mas sim como um método racional ou procedimento ritualístico para a manifestação de sua verdadeira vontade aliado as forças e espíritos invocados no ritual.


Ritual para obter Prosperidade e Fartura

Alimentos e Objetos ofertados aos Espíritos do Sol e da Terra

1- Pão e Mel – A base de toda oferenda, qualquer que seja o Espírito homenageado, é um pão com um vaso de agua pura. Além disso, você deve oferecer alimentos e uma bebida específica desse espírito. Nesta foto derramamos mel no pão pois o mel é um alimento com como virtudes solares. No caso a bebida predileta dos espíritos solares é o vinho (foto 11).

2- Bolachas (assim como bolos e biscoitos) são oferendas aos Elementais da Terra.

3- Incenso de Sândalo (sândalo é um incenso solar)

4- Louro – planta que contêm virtudes solares.

5- Talismã (Pantáculo) do Sol com assinaturas (sigilos) de Mikhael (Arcanjo do Sol) e de outros espíritos e atributos divinos ligados ao Sol.

6- Pedra de Quartzo Verde – ligado ao elemento Terra e aos Gnomos

7- Vela amarela – representando a Esfera Solar de Thipharet (Kabbalah) e abaixo da mesma notamos o Quadrado Planetário (Kamea) do Sol.

8- Cristais representando o elemento terra e os gnomos, os operários subterrâneos

9- Outro Talismã do Sol sobre o mesmo notamos citrinos. O citrino é um cristal especial que carrega e transmite a energia do Sol.

10- Várias moedas – outro símbolo ligados aos gnomos (senhores da riqueza).

11- Vinho – Um símbolo solar muito antigo, utilizado no Culto à Dionísio ou Baco representando o sangue do Deus sacrificado e mais tarde adotado pelo Cristianismo.

12- Vela de Cera de Abelha – a cera de abelha (assim como o ouro e o mel) é elemento nobre do Sol. Esta é a vela é 100% natural e foi usada para fazer os pedidos durante o cerimonial.

13- Incenso em bastão de olíbano, que tem correspondência com o Sol.

14- Imagem de Lorde Kubera (observe melhor na outra foto). Kubera é uma divindade hindu considerada como o tesoureiro das riquezas do mundo, é adorado junto com Sri Lakshmi, a deusa da prosperidade. Kubera, no culto do Lotus Negro, equivalente a Gob, o Rei Elemental da Terra. A imagem é de ouro pois o ouro é um metal solar.

14- Taça com Manteiga, Açafrão, Cravo e Canela (alimentos e especiarias com virtudes astrologicamente atribuídas ao Sol).

15- Vela verde – representando o Elemento Terra e abaixo dela o Selo de Madeira de Och, o Espírito Planetário do Sol.

Obs: todo o ritual foi executado sobre o altar coberto por um tecido amarelo, pois é uma cor solar.

#AltaMagia #Salomão


CNPJ: 27.312.788/0001-28

© 2015 by Ordem do Lotus Negro.